Skip to main content

Museu da morte em Palermo, Italia

Catacumbas dos Capuchinhos de Palermo, na Sicília (Itália) acolhe um dos museus mais emocionantes e originais do mundo. Essas catacumbas “guardam” os restos de mais de oito mil mortos, a maioria da elite local , o clero, a nobreza e os representantes das várias profissões. Esta é uma das mais famosas exposições de múmias.

As catacumbas existem desde 1599 quando foi enterrado um monge com reputação de santo para ser orado e visitado, o irmão Silvestro de Gubbio. No final do século XVI, O número de habitantes do mosteiro capuchinho cresceu consideravelmente, e com ele a necessidade de um cemitério decente e espaçoso para os monges. Para isso, foi adaptado um tipo de cripta sob a igreja do mosteiro. Leia Mais

Fotos do manicomio onde torturas e experiencias eram feitas

O lugar já foi descrito como um dos “mais horripilantes do mundo”. Não é à toa que o Athens Lunatic Asyllum, conhecido também com The Ridges, ganhou esse título. Localizado em Athens, no estado de Ohio (EUA), o local, hoje abandonado, abrigou pacientes com problemas mentais, criminosos e doentes com tuberculose. Por muito tempo, suas instalações foram palco de atrocidades cometidas contra os internos. Os médicos faziam, por exemplo, a lobotomia, uma violenta intervenção cirúrgica no cérebro com resultados traumáticos. Leia Mais

Poveglia – A ilha dos mortos

Conhecida como “a ilha do não retorno”, a enigmática Poveglia fica na superfície da água verde situada entre Veneza e cidade Libo na lagoa de Veneza, no norte da Itália. Dividido por um estreito canal, Poveglia aparece como uma ilha revestida por uma aura de silêncio, morte e proibição, já que não é permitido se aventurar em suas terras, onde milhares de pessoas foram queimadas há séculos atrás. Seus restos mortais, como se recusasse à serem enterrados no esquecimento, ainda tendem a chegar às costas de Veneza, lugar em que o lembrete fúnebre que há entre as árvores silenciosas e edifícios da ilha isolada, ainda deixa transparecer muitas vozes de almas que ainda não descansaram, muitas delas, devoradas pela angústia dos séculos. Leia Mais

O caso da família Snedeker

Em 1986 a família de Allen e Carmen Snedeker mudaram-se para uma nova casa, conhecida como a Casa Hallanan, em Southington, Connecticut. A família consistia em 3 filhos com as respectivas idades: 13 11 e 3 (os 2 mais velhos sendo originários de um casamento anterior de Carmen) e uma menina de 6 anos; 2 sobrinhas depois se juntariam a eles. Ainda é motivo de controvérsia se os Snedekers sabiam ou não que a casa para a qual se mudaram em 30 de junho havia sido uma Funerária.

Eles ainda afirmam que não sabiam, mas alguns vizinhos insistem no contrário e que os antigos donos foram enfáticos ao relatar qual havia sido o uso anterior da casa para os novos donos muito antes dos mesmos se mudarem. De qualquer maneira, a família logo descobriria no porão uma caixa de alças para caixões, uma corrente e polia usada para erguer caixões e uma mesa de drenagem de fluídos- sem dúvidas relíquias deixadas pela antiga função da casa, a Funerária Hallanan.

Leia Mais

A verdadeira história de Katrin Malen – A menina do corredor

Cidade de Santem 1946. Enila, Ceron e Katrin, formavam uma família feliz, moravam em um humilde sítio, que com o avanço da cidade estava ficando cada vez menor e a situação financeira deles ficava cada vez pior. Katrin gostava muito de seus pais, era uma menina encantadora de apenas 11 anos. Brincava sempre sozinha com os poucos animais da fazenda.

Enila era uma mulher muito justa e batalhadora, sempre conseguiu manter o equilíbrio na casa, mesmo passando por tantas dificuldades. Depois de alguns meses a situação começou a se complicar, era época de seca, as plantações estavam morrendo e a única solução encontrada por Ceron foi vender um de seus cavalos. Era uma tarde nublada Ceron amarrou o animal numa carroça, consigo levou algumas armas e pólvora para tentar vender no mercado da cidade.

Leia Mais

Horror em Amityville – A história real

Por volta das 6:30, na noite de 13 de novembro de 1974, Ronald DeFeo Jr. se dirigiu até o Henry’s Bar, em Amityville, Long Island, Nova Iorque e declarou: “Você tem que me ajudar! Acho que minha mãe e meu pai foram baleados!”.

DeFeo e um pequeno grupo de pessoas foram para o endereço 112 Ocean Avenue, que foi localizado não muito longe do bar, e concluiu que os pais de DeFeo foram realmente mortos. Uma pessoa do grupo, Joe Yeswit, fez uma chamada de emergência para a polícia do condado de Suffolk, que procurou a casa e descobriu que seis membros de uma mesma família foram mortos em suas camas.

As vítimas eram o negociante de carro Ronald DeFeo, 43 anos, Louise DeFeo, 42 anos, e quatro de seus filhos: Dawn, 18 anos; Allison, 13 anos; Marc, 12 anos e John Mathew, 9 anos.

Todas as vítimas tinham sido baleadas com um rifle Marlin 336C, calibre .35 em cerca de três horas da madrugada daquele dia. Os pais DeFeo tinham sido baleados duas vezes, quando as crianças tinham sido mortas com um tiro apenas. A família DeFeo ocupava o endereço 112 Ocean Avenue desde que o compraram em 1965.
Ronald DeFeo Jr. era o filho mais velho da família, e também era conhecido como “Butch”. Ele foi levado para a delegacia local para sua própria proteção depois de sugerir a policiais na cena do crime que as mortes tinham sido realizados por uma máfia ligada à um homem chamado Louis Falini. No entanto, uma entrevista com DeFeo na delegacia, logo revelou inconsistências sérias na sua versão dos acontecimentos, e no dia seguinte, ele confessou a realização dos assassinatos. Ele disse aos detetives: “Quando eu comecei, eu simplesmente não conseguia parar. Passou tão rápido.” Leia Mais