Skip to main content

Como sacerdotes diferenciam possesão demoniaca de insanidade mental

Em 1999, o Vaticano reviu as suas orientações tanto para realizar exorcismos e determinar se a pessoa estava realmente sofrendo de uma possessão demoníaca ou de alguma forma de doença mental. Sacerdotes consultarão profissionais de saúde mental para poder avaliar a aflição da pessoa. A fim de determinar se a pessoa está possuído por um demônio ou não, sacerdotes observam a capacidade de falar em línguas estrangeiras anteriormente desconhecidas da pessoa, bem como a força que a pessoa não deve ser capaz de demonstrar, bem como a eliminação de todas as outras causas possíveis para o perigo .

A realização de exorcismos tem sido uma parte importante da Igreja Católica por séculos. A prática remonta à Bíblia e as histórias que são contadas sobre Jesus Cristo vencendo os demônios que possuíam o corpo de várias pessoas. Depois, ele  transferiu seus poderes de exorcismo aos Apóstolos. Por sua vez, o sacerdócio da Igreja Católica também é dito possuir poderes de exorcismo.

Em 1999, o Vaticano emitiu uma revisão oficial das orientações tanto para realizar um exorcismo e determinar a existência ou não de um demônio. Na primeira revisão desde 1614, foram as diretrizes para determinar se uma pessoa está ou não possuída.

Agora, a Igreja Católica tem o cuidado de decidir entre o que eles consideram estar sobe a posse real de uma entidade demoníaca ou apenas uma manifestadão de doença mental. Eles não mais decidem sobre aquele que se encolhe diante de um crucifixo.

Atualizado as regras para a declaração de alguém possuído por demônios incluem consultoria com profissionais médicos e psiquiátricos para afastar qualquer causa física para a aflição da pessoa, bem como para explorar as possibilidades de manifestadão da doença mental antes de um diagnóstico de possessão demoníaca é mesmo considerado.

As coisas que um sacerdote olhará, são as coisas difíceis de se falsificar, por exemplo, como citado a habilidade de a pessoa falar uma língua fluentemente desconhecida pela própria pessoa, uma força descomunal e uma alta resistência e também a habilidade de conhecer fatos da memória de outras pessoas que ela nunca virá, como o próprio Sacerdote ou até de pessoas que já morreram.

Segundo as diretrizes do Vaticano, a até a possibilidade da pessoa falsificar os “sintomas” citados acima, por isso mesmo diante desses “sintomas” o Sacerdote tem a função de decidir se é possessão demoníaca ou alguma insanidade mental.

Antigamente era muito fácil para igreja decidir se a pessoa estava sofrendo de possessão demoníaca, pelo mudança de comportamento, agressão, xingando, ferimentos auto-infligidos, e um ódio demonstrado de objetos religiosos eram todos os sinais consideráveis de que uma pessoa foi certamente possuída, que é chamado de “posse genuína”. Mudanças nas diretrizes mais recentes estabeleceu que falar em línguas desconhecidas são sinais de possessão, essa mudança foi criada para ajudar os sacerdotes e conselheiros a diferenciar a posse real da pseudo-posse, ou seja, o aparecimento de sintomas em uma pessoa que sofre de uma doença mental, muitas vezes, esquizofrenia e outros transtornos dissociativos.

Grande parte da doutrina sobre exorcismo manteve-se inalterada ao longo dos séculos, incluindo a base do que ela realmente significa. A igreja conta que a mente de um indivíduo que não é possuído pelos demônios, mas o corpo, colocando a mente em uma espécie de estado de suspensão, enquanto o demônio toma o controle do corpo. Fundamentalmente, a descrição da igreja do que está acontecendo durante a possessão demoníaca é muito diferente dos problemas psicológicos que se desenvolvem quando uma pessoa sofre de doença mental.

 


Comentários via Facebook

comentários

Bruno Lima

Estudante de Ciência da Computação. Desde de pequeno sou apaixonado pelo gênero do terror, por isso trago como missão para esse blog sempre estar trazendo conteúdos de qualidade, que faça com que o leitor sinta aquele frio na espinha. =D

Deixe sua opinião. Interaja conosco!