Skip to main content

Omayra Sánchez – A menina que não pode ser resgatada

Há mais de 30 anos, uma catástrofe destruiu parte de Armero, na Colômbia, deixando escombros e feridos por toda parte. Entretanto, apesar de que o vulcão “el león” tenha entrado em erupção e provocado uma avalanche de lava, escombros e pedras, o que mais chamou a atenção foi a agonia de uma garotinha chamada Omayra. Uma foto tirada da garota recorreu o mundo.

O vulcão Nevado del Ruíz não tinha entrado em atividade por mais de um século, e justo em 13 de novembro de 1985 decidiu liberar sua energia e arrasar com tudo a seu redor, incluindo o lugar onde Omayra vivia com sua família.

Quando surgiram boatos sobre a tragédia, os meios de comunicação chegaram ao lugar para informar sobre o estado das pessoas e as casas devastadas pela avalanche de lava e escombros. Mas, quem conseguiu tirar a foto mais impactante de todas foi o jornalista francês Frank Fournier, que tirou uma foto de Omayra presa na água com um olhar que fez o mundo todo estremecer.

“Quando cheguei ela estava quase sozinha, algumas poucas pessoas a rodeavam. Entretanto, os bombeiros ajudavam outra pessoa a poucos metros de distância. Estava dentro de um poço gigante, presa da cintura para baixo por concreto e outros escombros das casas que foram devastadas. Já tinha aguentado três dias nessa situação, estava abatida e muito confusa”.

Omayra viveu em agonia e angustia durante dias. Os jornalistas a interrogavam, enquanto algumas pessoas e bombeiros somente se aproximavam para dizer-lhe palavras de consolo e que estavam esperando ajuda (que não chegou a tempo).

Omayra morreu de pé, com a cabeça apoiada em uma tábua de madeira e seus olhos escurecidos pelo cansaço. Sua pele enfraqueceu e seus ossos não suportaram a força que a menina tirou da alma para poder sobreviver.

A pequena foi sepultada no mesmo lugar onde morreu, pois para tirá-la de lá seria necessário amputar as pernas da menina, e sua mãe não estava de acordo com isso. Seu túmulo, atualmente, é um lugar de peregrinação de muitas pessoas que todos os anos passam por lá de visita para pedir favores a quem consideram um anjo e símbolo da tragédia.

Por outro lado, Fournier foi exaltado e recebeu o prêmio World Press Photo pela qualidade e a expressividade da foto que tirou, ainda que também tenha se convertido em foco de críticas por não ter ajudado Omayra enquanto estava viva.

“Ao tirar a foto me senti totalmente incapaz, sem poder de forma alguma ajudá-la. Ela enfrentava a morte com coragem e dignidade, sentia que a vida estava indo embora”.

– Frank Fournier a BBC

As autoridades da Colômbia não falaram a respeito e a tragédia foi perdendo notoriedade com o tempo, incluindo a agonia da pequena Omayra.


Bruno Lima

Estudante de Ciência da Computação. Desde de pequeno sou apaixonado pelo gênero do terror, por isso trago como missão para esse blog sempre estar trazendo conteúdos de qualidade, que faça com que o leitor sinta aquele frio na espinha. =D

Deixe sua opinião. Interaja conosco!

%d blogueiros gostam disto: